Pedagoga expõe importância da alfabetização para a cidadania

12 de novembro de 2010 Educação

Por Janaína Carine

O dia Nacional da Alfabetização é comemorado neste domingo, dia 14 de novembro, tendo como objetivo incentivar a educação, leitura, e escrita em relação ao desenvolvimento e a cidadania em si.

É um processo que envolve o domínio amplo de compreensão e uso da linguagem, fatores que formam a base para a socialização. Em suma, alfabetização é a chave para uma boa formação como um todo.

A pedagoga, Maria do Rosário Leite Brito, 40 anos, nascida na cidade de Cachoeira-Ba, concedeu uma entrevista ao Reverso, e explana os seus principais conceitos e opiniões referentes à alfabetização e analfabetização no município.

Créditos de Janaína Carine

O que você tem a dizer sobre Alfabetização? Quais fatores as constituem?

Alfabetização é o domínio da leitura e da escrita, ou seja, o indivíduo deve compreender como funciona o uso da linguagem para poder desenvolver o seu nível social. Não se resume apenas no ato de ler e escrever, mas na capacidade de compreensão do indivíduo, interpretação e produção de conhecimento.

Quando podemos concluir que a criança está alfabetizada?

Uma pessoa alfabetizada em si é quando o indivíduo domina o sistema, por exemplo: ela reconhece o valor sonoro das letras, forma palavras, decifra e ler. Daí ela já consegue o grau alfabético da leitura, ela já compreende que a nossa escrita é organizada dessa forma. As letras têm o valor sonoro, elas juntam, formam as sílabas, as palavras e depois a frase. Isso é estar alfabetizado. Agora fazer o uso social é saber ler, escrever e interpretar. É o que os estudiosos chamam de letramento. É diferente de alfabetização. Você vê muita gente alfabetizada, mas, não consegue interpretar um texto, não consegue fazer um bilhete, um ofício… Portanto, a partir do momento que você conhece o sistema, ler e escreve em qualquer situação, você está letrado.

Como levar o estudante a ler e a produzir, com autonomia e proficiência, os diversos gêneros textuais?

A criança deve vir de um ambiente que o incentive à leitura. Neste caso, a família (os pais). Depois a escola. Infelizmente, a maioria dos nossos alunos vem ter contato com a leitura somente na escola. E a leitura que é feita em sala de aula ainda é pobre. Deve ter um modelo de leitor, alguém que o incentive. Por exemplo: o professor ler para o aluno, levar vários textos para sala de aula, são pequenos fatores que motivam a leitura… O aluno tem que ler por prazer, sem cobranças. É na escola que propiciamos este primeiro contato. Pois, em casa, a maioria dos pais não estimula a leitura. Deve-se colocar para ler e ouvir desde pequeno histórias para estimular a criança. Isso é um ponto de partida para o estímulo. Se desde pequena a criança é acostumada a ouvir histórias, a manusear livros, a ela é possibilitada a proficiência da leitura e da escrita muito mais rápido do que uma que não teve esses princípios.

Os professores estão se preparando para a revolução digital da informação? Qual a sua opinião?

Os professores ainda não. Acho que eles ainda não pensam que nós já vivemos nessa sociedade da informação. Os celulares, os instrumentos que os alunos usam, os professores não usam. Muitas vezes, o aluno está na frente do professor com uma ferramenta tecnológica e o professor ainda resiste e não sabe como tirar proveito dessas ferramentas para ampliar o ensino.

Qual o papel do professor diante da globalização e do letramento, com todas as mudanças pelas quais a sociedade está passando? Quais recursos são utilizados para exercer a educação tecnológica?

O papel do professor é viabilizar as estratégias de ensino para proporcionar ao aluno um nível desenvolvido em termos de troca de bens culturais ou até mesmo materiais. A tecnologia que mais usam nas escolas são os livros didáticos. Algumas escolas têm computador, acesso à internet, outras não. Não sei se é só aqui em Cachoeira, mas os professores ainda estão distantes desta realidade, embora ela esteja presente. As aulas são muito centradas nos livros, no professor e, com pouco uso da tecnologia; são poucos os que usam músicas ou vídeo em sala. As outras ferramentas não são exploradas.

O que você diz a respeito da alfabetização e analfabetismo aqui na cidade?

Atualmente, existe muita gente que não sabe ler e escrever. E tem muitas pessoas que são analfabetas funcionais, apenas escrevem o nome ou mal leem ou escrevem. Hoje, vivemos nesta crise. O professor trabalha de forma tradicional e não alcança os seus objetivos em sala, não consegue renovar e nem criar estratégias para atingir esta nova população, e daí acaba gerindo o que vemos por aí, poucas pessoas sem o domínio da leitura e da escrita. Dominar a leitura e a escrita é fundamental! Pois, quem não tem o domínio da leitura e da escrita não consegue emprego, não consegue ascender socialmente, entrar numa Universidade, nem consegue tomar uma informação direito. A sociedade, hoje em dia,  é letrada, ou seja, tudo precisa de leitura e da escrita. Por exemplo: ir ao banco, pegar transportes… para tudo nós precisamos de leitura. Então, quem não tem esse domínio não sabe interpretar, não consegue ter uma boa leitura.

Para a senhora, qual a importância do dia nacional da alfabetização? A senhora acha que serve como incentivo? É divulgada nas salas de aula a semana nacional?

Se o dia nacional da alfabetização fosse usado como mobilização social, seria incentivo. Mais pelo menos aqui na cidade, as pessoas não estão ligadas para a data em si. Se for só pela data não interfere. Mas acho que poderia ter um dia de mobilização, oficinas nas escolas, uma movimentação na cidade, a fim de que os indivíduos tomassem consciência da importância de ser alfabetizado. Outras datas são até divulgadas nas escolas, mas essa não. Seria uma importante mobilização.
A importância do dia da alfabetização, é a base do crescimento. Uma boa educação infantil, uma boa alfabetização garante que você tenha e acrescente conhecimento. Se você é leitor, sabe escrever, você tem muita chance de evoluir , o que é necessário para todas as pessoas apresentarem-se diante da sociedade. As pessoas que tiveram boa educação, uma boa alfabetização têm muito mais chances de se colocar na sociedade e de obter emprego do que outra que não tem. Então, é uma possibilidade de crescimento.

Créditos de Fernanda Rocha

Tags: , , ,

Comentários (3)

 

  1. Evaldo disse:

    Uma das melhores entrevistas que já li.Cabe ao poder público reciclar e informatizar os professores, para que possam preparar melhor as pessoas.

  2. zilma assunção disse:

    Enquanto a familia não se comprometer com responsabilidade, ser parceira da escola, a situção da educação neste País continuará sendo conhecida com essa carga de problemas como alunos jogando cadeira na professora, colcando cola nas carteira e etc… Existem inúmeras leis do Brasil que protegem os alunos estimulando-os a praticar barbaridades nas escolas, para o professor, que se dane.

  3. ELIAS PEREIRA DA SILVA disse:

    MORO NA CIDADE DE MATÓES NO LESTE DO MARANHÃO A 80 KM DE TERESINA-PI, GOSTEI BASTANTE DAS INFORMAÇÕES QUE LI. PUDE OBSERVAR QUE A NOSSA REALIDADE NÃO É MUITO DIFERENTE. OBRIGADO

Deixe uma Resposta