Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Pesquisa de percepção avalia perfil empreendedor das universidades brasileiras
Início do conteúdo da página
Externa

Pesquisa de percepção avalia perfil empreendedor das universidades brasileiras

Publicado: 19/06/17 10:24 | Última atualização: 19/06/17 10:26 | Acessos: 796 | Postado por Fernanda Braga

A Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior) lança o Índice Universidades Empreendedoras 2017. O projeto tem como objetivo principal identificar as práticas e iniciativas empreendedoras das Instituições de Ensino Superior (IES). A elaboração deste índice, com apoio do Ministério da Educação (MEC), conta com a participação de todos os estados do país e mais de 80 universidades nesta edição.

Elaborada por quatro organizações estudantis, Rede Ciências sem Fronteiras (CsF), Associação Brasileira de Estudantes (AIESEC), Brasa (Brazilian Student Association), e a Entrepreneurial Action Us (Enactus), a construção do conceito de Universidade Empreendedora foi desenvolvida por meio de uma pesquisa on-line destinada ao público universitário. Podem participar alunos e ex-alunos das instituições.

Os eixos que são mapeados em cada universidade são: cultura empreendedora, inovação, extensão, capital financeiro, internacionalização e infraestrutura. Os estudantes avaliam as oportunidades que são dadas a eles e quais são os potenciais de melhorias. Cada Universidade irá receber um estudo, com detalhes sobre cada número e possíveis ações para tentar debater sobre essas mudanças.

No Índice Universidades Empreendedoras 2016, as universidades destaques em cada um dos eixos variaram entre as regiões Sudeste e Nordeste. Em primeiro lugar está a Universidade de São Paulo (USP), em segundo, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e, em terceiro, a Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro. Em quinto, aparece a Universidade Federal do Ceará (UFC). Neste estudo também foram disponibilizados cases de sucesso das universidades analisadas.

A embaixadora da UFRB no Índice 2017, a estudante Thaís Bitencourt, avalia que a pesquisa é o primeiro passo para iniciar uma micro-revolução nas práticas da Universidade. “Na relação com projetos estudantis, de extensão e empresa juniores pude perceber a importância de uma universidade que insira a comunidade acadêmica em um ambiente favorável, para que esta desenvolva a sociedade por meio de práticas inovadoras”, diz a diretora de Marketing da empresa júnior Engenhe Jr.​

Participe da pesquisa de percepção das Universidades Empreendedoras 2017.​

Confira o Índice Universidades Empreendedoras 2016.

registrado em:
Fim do conteúdo da página