Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

(26/04/2016 11:07) Controladoria debate integridade no setor público com servidores do Banco Central

Publicado: Segunda, 02 Maio 2016 16:07

Nesta segunda-feira (25), o secretário Federal de Controle Interno-Adjunto, Sérgio Seabra, participou de debate sobre integridade nos órgãos e entidades públicas, em Brasília. Promovido pela Controladoria-Geral da União (CGU) e pelo Banco Central, o evento teve o objetivo de apresentar aos servidores do Banco a importância da ética e dos programas de integridade na Administração Pública.

Na ocasião, Seabra destacou a relevância de se avaliar a existência, a qualidade e a efetividade de políticas e programas voltados à prevenção, à detecção e à remediação de fraudes e atos de corrupção em estatais. “Isso é umas das prioridades da CGU. Essa iniciativa diz respeito, sobretudo, ao lado preventivo da questão”, ressaltou.

No ano passado, a CGU avaliou os mecanismos de integridade de quatro estatais: Banco do NordesteCorreiosEletronorte e Furnas. Em 2016, a expectativa é realizar mais 27 auditorias de empresas. “A integridade é um ativo valorizado no mercado. Quando ela está incorporada na cultura da organização, contribui bastante para a repressão de ilícitos”, falou Seabra.

O trabalho considera oito etapas: reunião com a direção da empresa; treinamento da equipe que fará a auditoria; coleta de informações e análise documental; trabalho de campo; aplicação de questionários; relatório preliminar; reunião de resultados e busca conjunta de soluções; e conclusão do relatório. A partir da finalização da auditoria, a empresa pode desenvolver plano de ação para fortalecer os instrumentos de combate à corrupção.

O debate permitiu, ainda, conhecer a visão da CGU quanto à criação de programas de integridade na Administração Pública, além do histórico de iniciativas do órgão para a prevenção e o combate à corrupção (Lei Anticorrupção, guias de integridade, entre outros). Estiveram presentes cerca de 40 pessoas do Banco Central, de áreas como corregedoria, gestão de riscos, ouvidoria, auditoria interna, entre outras.

registrado em:
Fim do conteúdo da página