Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Reciclagem de óleo, bioplástico, novo feijão e práticas agrícolas na antiguidade no Univerciência
Início do conteúdo da página
Univerciência

Reciclagem de óleo, bioplástico, novo feijão e práticas agrícolas na antiguidade no Univerciência

15/10/21 12:12 | 18/10/21 08:51 | 221

O Univerciência deste sábado (16) traz uma solução para reciclar o óleo de cozinha, e vai mostrar a produção de um bioplástico biodegradável, como alternativa aos plásticos comuns. O programa desta semana destaca ainda a criação do e-book ‘Agricultura na Bíblia’, e a produção de um feijão resistente à falta de água e as altas temperaturas. No‌ ‌ar‌ ‌pela‌ ‌TVE‌ ‌aos‌ ‌sábados,‌ ‌às‌ ‌14h30,‌ ‌o‌ ‌programa‌ ‌tem‌ ‌horários‌ ‌alternativos‌ ‌às‌ ‌segundas-feiras,‌ ‌às‌ ‌20h30,‌ ‌e‌ ‌quartas-feiras,‌ ‌às‌ ‌7h30.‌

O óleo de soja, mais conhecido como óleo de cozinha, se não descartado corretamente após o uso pode entupir tubulações, contaminar a água e trazer sérios prejuízos ao meio ambiente. O Univerciência vai mostrar um projeto do Instituto Federal de Sergipe (IFS) que ensina como reciclar os óleos utilizados em frituras. A intenção, a princípio, é ajudar proprietários dos estabelecimentos comerciais em Aracaju a transformar o óleo utilizado nas frituras do dia a dia em sabão. A iniciativa contribui para a preservação do meio ambiente e traz um impacto positivo na economia da região.

O plástico está presente no nosso dia a dia, seja no copo descartável, nos pratos e em tantos utensílios que utilizamos. Em 2019, conforme dados da pesquisa Índice de Fabricantes de Resíduos de Plásticos, publicada pela Fundação Minderoo, da Austrália, 130 milhões de toneladas de plásticos descartáveis foram jogados fora em todo o mundo. O telespectador vai conhecer a solução desenvolvida por um estudante do Departamento de Química (DQI) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), que recém-concluiu a produção de um bioplástico biodegradável e comestível, produzido a partir de resíduos de cana-de-açúcar e sementes de mangaba. O foco do trabalho foi encontrar uma alternativa ecologicamente viável para substituir o plástico convencional, produzido a partir de derivados do petróleo de difícil decomposição e extremamente prejudiciais ao meio-ambiente.

O consumo do feijão faz parte da cultura do Nordeste, mas, nos últimos anos, as variações climáticas fizeram a produção do grão despencar e ainda elevar o preço. O programa vai mostrar que na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), cientistas estão trabalhando na produção de um feijão resistente à falta de água e às altas temperaturas. Os pesquisadores descobriram que o ácido salicílico, também usado para produzir aspirina, pode ajudar o feijão caupi a ser mais tolerante à seca. Eles se concentraram na germinação, no período em que a planta está apenas brotando, e no crescimento precoce. O processo é uma técnica amplamente utilizada com o objetivo de melhorar o desempenho das sementes à medida que germinam e crescem. A intenção é ter um grão adaptado ao cultivo nas regiões semiáridas.

Ainda nesta edição, o programa mostra uma pesquisa que usa como base um dos mais antigos livros sagrados da humanidade para entender as práticas agrícolas: a bíblia sagrada. Com o título ‘Manejo das práticas agrícola e a legislação de Israel na Bíblia Hebraica’ a pesquisa que resultou no e-book ‘Agricultura na Bíblia’, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), que busca registrar as diferentes práticas agrícolas e os procedimentos tecnológicos utilizados entre os israelitas na Antiguidade, de acordo com os textos descritos no Antigo Testamento da Bíblia. Além disso, traz informações referentes às leis trabalhistas e as relações de trabalho da época, bem como os instrumentos e as técnicas utilizadas para produção, questões de mercado e distribuição dos produtos produzidos.

O programa Univerciência tem a participação de instituições de ensino de todos os estados nordestinos a partir da parceria entre universidades, institutos e televisões públicas da região. A produção do conteúdo é colaborativa e a veiculação acontece em TV’s públicas, educativas, culturais e universitárias, e nos canais das emissoras, das universidades e dos institutos na Internet.

registrado em:
Fim do conteúdo da página