Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Energia eólica, leishmaniose e plantas medicinais em destaque no Univerciência
Início do conteúdo da página
Univerciência

Energia eólica, leishmaniose e plantas medicinais em destaque no Univerciência

01/04/22 10:39 | 01/04/22 10:39 | 278

Neste sábado (02), às 14h30, na TVE, o Univerciência vai mostrar pesquisas científicas sobre energia eólica e combate à leishmaniose, além de estudos sobre carbono em áreas de manguezais, e análise de componentes químicos em espécies de plantas medicinais. Sempre aos sábados, o Univerciência é exibido também em horário alternativo às segundas-feiras, às 20h30.

A energia eólica é originada da força do vento e é convertida em eletricidade. A tecnologia produz energia limpa e permite reduzir as emissões de gases poluentes. Cientistas da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) buscam entender quais são os impactos socioambientais gerados por esse sistema e contribuir para a implantação dessas fontes de energias renováveis, sem causar tantos problemas ao meio ambiente. Os estudos buscam dar visibilidade aos impactos causados por essa tecnologia no meio ambiente, aos conflitos territoriais, a problemas com comunidades costeiras centenárias, entre outros.

Na Universidade Estadual do Piauí (UESPI), cientistas estudam o que provoca a proliferação do agente transmissor da leishmaniose, doença transmitida pelo mosquito-palha ou birigui (Lutzomyia longipalpis) que, ao picar, introduz na circulação do hospedeiro o protozoário Leishmania chagasi. A transmissão do parasita ocorre apenas através da picada do mosquito fêmea infectado e, por isso, para combater a segunda doença parasitária que mais mata no mundo, uma das formas eficazes é combater o mosquito. O programa vai mostrar o trabalho dos pesquisadores, que tem o objetivo de orientar a população e os órgãos de saúde em ações de políticas públicas.

Especialistas afirmam que os manguezais são aliados no enfrentamento ao aquecimento do planeta, em função da capacidade desses ecossistemas costeiros de armazenar grandes quantidades de carbono. O Univerciência vai mostrar o trabalho de pesquisadores do Instituto de Ciências do Mar, da Universidade Federal do Ceará (UFC), que analisam os estoques de carbono em diferentes áreas de um manguezal localizado na região metropolitana de Fortaleza.

Na Bahia, cientistas da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) realizam pesquisas com o objetivo de mapear, classificar e analisar os componentes químicos das espécies de plantas. Cada vez mais a utilização de plantas medicinais apresenta soluções para o nosso dia a dia, em diversas necessidades, ou ainda na busca de resoluções mais complexas das demandas humanas. O resultado do mapeamento, classificação e análise dos componentes químicos das espécies pode contribuir na criação de novos medicamentos.

Primeiro programa brasileiro de TV e Internet dedicado à popularização da ciência produzida no nordeste brasileiro, o Univerciência foi criado em 2020 pela TV UESB (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia), e transformou-se, a partir da parceria entre a TVE Bahia e 40 instituições públicas de ensino superior de toda a região, em um conteúdo colaborativo com alcance e repercussão nacional, através da veiculação em TV’s públicas, educativas, culturais e universitárias, e nos canais das emissoras e das universidades na Internet.

O programa poderá ser assistido em diferentes dias e horários nas diversas emissoras de tv aberta, em 12 estados brasileiros, além do Canal Saúde e Canal Futura, e é disponibilizado semanalmente nos canais na Internet por cada TV e universidades participantes, alcançando juntos cerca de 100 milhões de pessoas. Entre estudantes, docentes e técnicos, o Univerciência conta com mais de 800 mil pessoas envolvidas na sua realização, com um alcance de mais de 8 milhões de pessoas nas redes sociais.

registrado em:
Fim do conteúdo da página