Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > UFRB concede título de Doutor Honoris Causa ao músico Mateus Aleluia
Início do conteúdo da página
Institucional

UFRB concede título de Doutor Honoris Causa ao músico Mateus Aleluia

13/05/22 08:02 | 13/05/22 06:46 | 550

Aconteceu nesta quarta-feira (11) a solenidade de entrega do título de Doutor Honoris Causa ao cantor, compositor e pesquisador Mateus Aleluia, no Auditório da PPGCI, Campus Cruz das Almas. Mateus Aleluia é a quinta personalidade de relevantes contribuições prestadas à sociedade que recebeu o atributo concedido pelo Conselho Universitário (CONSUNI) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

O evento foi repleto de sensibilidade, reverência e axé. Alabês do Terreiro Icimimó marcaram a abertura da cerimônia com os instrumentos sagrados e Mateus Aleluia Filho fez uma apresentação musical em homenagem ao pai. Também, sob regência do maestro José Alípio Martins, o Canto Coral da UFRB, cantou um pout pourri das músicas 'A Força de Jurema', 'Atabaque Chora', 'Cordeiro de Nanã' e 'Promessa aos Gantois' do grupo Os Tincoãs, o qual Senhor Mateus foi integrante.

A mesa de honra institucional foi composta pelo reitor Fábio Josué, o vice-reitor José Mascarenhas, o diretor do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (CECULT), Danillo Barata e o homenageado, Mateus Aleluia. Comunidade local e acadêmica, representantes culturais e religiosos e família do cantor estiveram presentes para prestigiá-lo. 

“Este título é concedido para as pessoas que têm uma trajetória importante, uma produção significativa para a sociedade em qualquer área do conhecimento. Com essa ação, a UFRB afirma o papel também de contribuir com a integração entre os povos, sobretudo neste território do Recôncavo”, disse o reitor Fábio Josué ao mencionar sobre a concretização da entrega.

Já o professor Danillo Barata falou sobre as contribuições de Mateus Aleluia para a UFRB. “Mateus é uma pessoa que já acompanha nosso projeto de Universidade há muito tempo. Esse reconhecimento do trabalho dele nos humaniza e nos fortalece como centro de pensamento, de ciência e de cultura”, afirmou. 

O currículo vivencial de Mateus Aleluia revela um olhar emancipatório, criativo e agregador para a humanidade. Seus mais de 60 anos de atuação nas artes, cultura e educação evidenciam a maestria do artista e sua relevante participação nas áreas de pesquisa, ensino, extensão e gestão. Por isso, em forma de reconhecimento a sua irretocável contribuição no cenário artístico, técnico e acadêmico do Recôncavo, Bahia e Brasil, a UFRB sancionou o título de Mateus Aleluia, agora Doutor Honoris Causa pela Instituição. 

Em fala potente e emocionante, o Doutor afirmou: “Transformaram-me. Nasci novamente. A vida é feita de ressurreições. Eu cresci acreditando que nós ressuscitamos todos os dias quando dormimos e depois acordamos. Falaram de um Mateus que eu não conhecia e passei a conhecer. Muito obrigado por me revelar a mim mesmo”. E continuou recitando: “Caminhando, solfejando e cantando eu sempre andei. Resisti e resisto, porque meu tempero é o sal. Na estrada que eu trilho, quem me guia é o sol e quando o dia se rende, eu me abrigo ao luar. Eu sinto a brisa ao meu redor. Eu piso o chão que me formou. Tenho fogo no meu coração, inquietude”, declarou. 

Mateus Aleluia 

Filho e fruto de Cachoeira, Senhor Mateus, como é conhecido localmente, nasceu às margens do Paraguaçu no ano de 1943. O cantor, compositor e pesquisador da ancestralidade baiana musical pan-africana do Brasil, foi protagonista no grupo Tincoãs, primeiro grupo vocal a expressar a herança cultural (musical e linguística) dos povos africanos. O Tincoãs foi destaque nacional entre os anos de 1960 e 1980.

Mateus Aleluia viveu duas décadas em Angola, a partir de 1983, onde foi contratado pela Secretaria de Cultura para realização de pesquisa antropológica e cultural, junto a mestres e mestras da cultura dos povos africanos, compilando diversos saberes. Retornando ao Brasil,  Mateus Aleluia lançou os álbuns “Cinco Sentidos”, “Fogueira Doce” e “Olorum”, que, junto com a obra dos Tincoãs, consubstanciam o legado pan-africano do Brasil.

Veja fotos da solenidade:

registrado em:
Fim do conteúdo da página